20.4.09

"Mãos Dadas", poema de Carlos Drummond de Andrade

Eu não conhecia essa poesia, a Ana Laura que me mostrou. Curti d+! :D

Carlos Drummond de Andrade
"Não serei o poeta de um mundo caduco.
Também não cantarei o mundo futuro.
Estou preso à vida e olho meus companheiros.
Estão taciturnos mas nutrem grandes esperanças.
Entre eles, considero a enorme realidade.

O presente é tão grande, não nos afastemos.
Não nos afastemos muito, vamos de mãos dadas.

Não serei o cantor de uma mulher, de uma história,
não direi os suspiros ao anoitecer, a paisagem vista da janela,
não distribuirei entorpecentes ou cartas de suicida,
não fugirei para as ilhas nem serei raptado por serafins.

O tempo é a minha matéria, o tempo presente, os homens presentes,
a vida presente."



Gostou? Compartilhe:
TwitterStumbleupondel.icio.us

1 comentários:

Taty e Ana disse...

Consegui mais Um pra noitadas de vinho e poesia. Esta poesia é ótima, adoro a idéia de companheirismo. De mãos dadas,empatia, solidariedade...luta...corrente...éde Mãos Dadas me inspira muitas coisas!
Ana Laura

Blog Widget by LinkWithin