12.8.09

É muito ESCULACHO nessa vida

Vi essa cena a uns anos atrás. Vira-e-mexe, lembro dela e fica na cabeça por vários dias.


http://www.youtube.com/watch?v=Ch8cGQjbgK0

Quanto anos será que ele tem? Uns 13? É inteligente, se frequentasse uma escola e depois arrumasse um emprego, poderia realizar muitas coisas. Quanto custa para tirá-lo das ruas? Dar casa, estudo? Uns R$ 800 por mês? Será que tá vivo ainda?

O dinheiro daquele castelo poderia tirá-lo das ruas junto com 6.250 meninos iguais a ele, por 5 anos ou mais. Tempo suficiente para adquirir uma profissão e se integrar.

O governo economizaria com FEBEMs, prisões, policiamento; a humanidade se beneficiaria de tudo o que ele poderia realizar, e que jamais poderemos prever.

No centro de Campinas-SP tem prédios, bancos, igrejas - à noite ficam vazios - e o lado de fora cheio de gente dormindo, com fome, com frio, sem perspectivas, sem chances.

Como disse Darcy Ribeiro, o Brasil é um moinho de moer gente. Gente endividada, escravizada, marginalizada, criminalizada ou alienada; tudo para satisfazer as extravagâncias de uns doentes egomaníacos.

Não é preciso muito para erradicar essa situação, e mesmo assim não dão (aquilo que nem é deles, mas do povo por direito).

Não acredito em política, nem em caridade. Acredito em trabalho, conscientização e educação. Acredito em melhorias graduais, contínuas e que se propagam.

Vou trabalhar, estudar, e parte importante dos meus objetivos é me envolver com inclusão digital (videogame em lan houses não conta), microcrédito, empreendedorismo jovem e outras questões chaves. Tomara que um dia eu faça alguma diferença nisso aí.

Para ver todo o documentário:



Gostou? Compartilhe:
TwitterStumbleupondel.icio.us

4 comentários:

Thiago disse...

vai fazer

ana laura disse...

Que bacana tudo. Vai sim, iremos. O Movimento sem Teto tem produções maravilhosas no sentido de alertar sobre a "ociosidade" de alguns prédios e construções desocupados. Como elas poderiam ser utilizadas para manter um princípio primário: o direito a moradia? é obvio. Mas ainda pensamos em propriedade privada...aff..Saudosa Maloca, maloca queridaaaaaaa...

Canteiro Pessoal disse...

Nicholas. Concordo com este trecho;" Não acredito em política, nem em caridade. Acredito em trabalho, conscientização e educação. Acredito em melhorias graduais, contínuas e que se propagam". Pois, mentes renovadas e instruídas tornam-se agentes ativos e fazem diferença em um mundo caduco [que nós mesmos criamos] por apregoar tal desigualdade e propagar uma cultura com classe alta, média e baixa, sendo que todos nós estamos no mesmo barco e feitos do mesmo pó e retornaremos ao pó. Quem dera se o mundo atuasse como é relato na escrituras em atos? Onde todos tinham tudo em comum, nem mais ou nem menos. Que tal começarmos por nós? Uma gotícula de mudança creio que move montanhas.
Tu tens vaso um coração sementado por mudança, por de dentro e não pra fora e isso, é o que faz em prelúdio um aguaceiro na vida de quem o lê.
Tenho aprendido que a cultura nos ensinada nos bloqueia e nos poda, mas que somos nós que nos desbloqueamos com uma tomada de decisão. E muitas vezes, pela decisão estaremos em momentos só, totalmente no deserto de Saara e que é aí, suando gotas de sangue que devemos estar firmes por acreditar e viver em vida que ser feliz é fazer o semelhante feliz. Como o fazendo feliz? O dá consolo! O que é dá consolo? Aliviar o sofrimento em conforto. Presentear com a ESPERANÇA. Portanto, vamos atuar, eu, tu e todos a boca e a demonstração da esperança.

.beijos mil e fica na paz!

Priscila Cáliga

Lygia disse...

Oi Nicholas!

Pode ter absoluta certeza de que vc já está fazendo uma enorme diferença... Parabéns por vc ser assim.

Beijão
Lygia

Blog Widget by LinkWithin