27.9.10

Eleições 2010: Tem jeito?

Se tem uma coisa que eu realmente odeio, algo que não acho graça, que me dá nojo, que não gosto de comentar porque me dá uma aversão insuportável - é política.


O pior criminoso é o criminoso político. Quando rouba milhões, tira a vida de pessoas nos corredores de hospitais, de jovens sem escola e emprego que vão para o tráfico, dos descendentes deles que sofrerão conseguências da desestrutura familiar, enfim.

Na política, quem presta não consegue ir longe sem vender a alma. É boicotado ou morto. Só nos resta eleger farinha do mesmo saco.

Os "intelectuais" brasileiros que deveriam ser "esclarecidos" e se opor aos absurdos políticos, ficam na deles, mamando nas bolsas do governo.

E o que dizer de um povo que elege "Dado BATEnella, espancador de mulher" naquele lixo "A Fazenda"? "Restart" como a melhor banda nacional? Analfabeto do Tiririca?

A maioria dos brasileiros sonha em ser concursado, estabilidade né. Nada contra quem trabalha direito mas..... até prestar serviço em uma empresa pública pela primeira vez, eu era contra privatizações. Foi constrangedor, mudei completamente de idéia. Como pode a VALE ser deficitária quando era estatal e depois virar uma das empresas mais rentáveis do mundo? É o cúmulo da incompetência, da má vontade, da corrupção.

Esse povo alegre, bem-humorado, criativo, interessado em futebol - trabalha 4 meses do ano só para pagar impostos, e tem "muito" retorno do governo: tem que pagar escola, plano de saúde, pedágio, ônibus... tudo uma porcaria. Queria que tivessem a mesma indignação na política do que quando um juiz anula errado o gol.

Li por aí, que o Brasil é um circo ao contrário: a platéia paga para ser palhaça e quem ri são os donos do circo.

Aqui era para ser o país mais rico do mundo, com a melhor qualidade de vida de todos. Temos a maior área fértil do mundo, recursos minerais, hídricos, fauna, flora, clima perfeito, sol, vento, petróleo, turismo, saída para o mar. Não há terremotos, furacões, guerras. Somos um povo miscigenado, de fácil convivência, criativo. Porque o Brasil não dá certo? Porque no Brasil têm fome? Porque no Brasil tem gente sem moradia, terra?

Os únicos heróis nesse país são algumas ONGs (não ligadas à política) e PRINCIPALMENTE os empreendedores que - apesar de toda a burocracia, incompetência, taxas, lentidão e corrupção - carregam o Brasil nas costas.

Neste domingo terei que escolher um representante. Para ser meu representante o mínimo necessário seria:
  • Ser um empreendedor e apoiar ao máximo esse pessoal. Com incubadoras, fundos de investimentos, educação, microfinanciamentos, menos burocracia. Fazer o mesmo para institutos de Ciência e Tecnologia. Isso gera emprego e desenvolvimento do jeito certo.

  • Compreender a força da tecnologia, informatizar todo governo, integrar a comunicação no país, levar internet e celular para todas as cidades.

  • Entender o potencial do Brasil, a necessidade da sustentabilidade, de energias renováveis, de políticas de proteção ambiental, de desenvolver e exportar produtos de alto valor agregado - não só grãos, minérios, petróleo.

  • Administrar o governo exigindo a eficácia e a eficiência de uma empresa, aplicando meritocracia, critérios objetivos, avaliando custo, prazo, resultado, pensando no presente e no futuro.

Como deputado federal, tem o Mandic que se encaixa mais ou menos no perfil. Empresário, foi um dos sócios do IG, que popularizou a internet grátis no país. Veja a trajetória e os projetos dele. Mas não ponho a mão no fogo hein. Votarei para ver, mas só acredito vendo.

Como governador, mais ou menos nesse perfil tem o Skaf, foi empresário, presidente da FIESP e do SENAI (uma ÓTIMA rede de escolas técnicas)

Para presidente, não há ninguém que posso eleger como representante, vou votar na Marina por eliminação. Ninguém discute sério os problemas, nem oferece planos de ação. Ficam baseando a campanha em biografia, em carisma. Acho que carisma é supervalorizado, prefiro mil vezes um cara chato, cuzão, que não dá sorrisinho (tenho ódio de político que fica rindo), que leva a sério a responsabilidade imensa que tem.

Para o resto dos cargos nem sei, aceito sugestões.

Sabe... do jeito que é, o governo mais atrapalha do que ajuda. Votar não faz diferença, não é solução. A transformação desse Brasil - terra das oportunidades desperdiçadas - não virá da política.

Qual seria a solução para política?

- INFORMATIZAÇÃO: Para trazer agilidade, facilidade, informação e poder às pessoas.

Informatizando o governo, agiliza, reduz custo e facilita apurar informações. Muita gente tem acesso, fica difícil alterar algo e ninguém notar.

Se todos os municípios tivessem acesso decente a internet, as pessoas poderiam ler diretamente os projetos de lei, discutí-los, até votá-los. Com banco de dados abertos para acesso e softwares livres para processar essas informações, qualquer um poderia contabilizar ou conferir os resultados. Alguns campos com informações pessoais poderiam ser criptografados. Talvez nem precisaríamos mais de nossos "representantes".

Na Europa existe um partido chamado DEMOEX, o candidatos eleitos publicam em seus sites os projetos em votação, os eleitores votam indicando sua preferência e a opção vencedora é o voto que o candidado dá no congresso. Bacana isso né?

Aqui no Brasil tem algumas iniciativas ótimas como o Transparência Brasil, o Voto Aberto, o Museu da Corrupção. Acho sensacional o WikiLeaks.

- MERITOCRACIA: Recompensa por desempenho. Para estimular bons resultados, bons profissionais, boas práticas.

- FICHA LIMPA

Para mim são as 3 medidas básicas, primárias, essenciais, mínimas... para a política COMEÇAR a funcionar.

O dia que isso acontecer, eu começarei a considerar a política um meio e não um obstáculo para o desenvolvimento do Brasil.

Enquanto isso, o único jeito para a política que vejo é não contarmos com ela. "Seja a mudança que você deseja ver no mundo" (Gandhi). Comprometa-se com seu desenvolvimento, amplie sua consciência, seja tudo que pode ser, dê sua contribuição ao mundo - toda a diferença que você fizer nunca será pontual. Toda contribuição positiva que causar, estimula outras pessoas a contribuírem, propagando seu efeito.

A mudança do coletivo a partir de indíviduos independentes, trocando idéias mas pensando pela própria cabeça, buscando seus propósitos sem dominar os outros nem se deixarem dominar é a única mudança que realmente acredito.

Veja também:



Gostou? Compartilhe:
TwitterStumbleupondel.icio.us

9 comentários:

Rafael disse...

Nicholas, este ano eu pude perceber como esse pensamento, que eu compartilhei durante muito tempo, de que todos os políticos são ladrões/incompetentes pode ser perigoso. Claro que podemos ver a vergonha que é nossa política atualmente, mas o mesmo pensamento permite ao povo eleger como deputado federal mais votado de São Paulo o palhaço que afirma que "Pior que tá não fica". Ele justifica a alienação de não buscarmos uma opção melhor, ou pelo menos, uma não tão ruim.

Não vejo popularização do wi-fi e redes de celular como uma ação prioritária para a politização da população. É preciso antes encontrar uma forma de motivar as pessoas a se interessarem por política e por seus representantes. Acredito que melhorar a educação no Brasil, incluindo disciplinas que estimulem o pensamento crítico fosse mais eficaz neste caso(se souber de algum candidato com um plano claro para isto, por favor me avise!).

Desculpe pelo comentário 'reclamão', mas é que a eleição deste ano está pior do que todas as outras que vivi.

Nícholas Fernandes Gimenes disse...

ah reclama msm, o país seria melhor se todo mundo reclamasse, se não achasse que assim tá bom.


Realmente as eleições desse ano tá parecendo aqueles programas de auditório, com participantes batendo boca e a platéia botando lenha na fogueira.

Não acho que todos são criminosos, apenas acho que o pior tipo de criminoso é o criminoso político, e que um "bom político" tem que flexibilizar muito suas convicções para não ser boicotado ou morto.

O lance da internet acho importantíssimo, juntamente com educação como você disse.

A internet pra mim é tão importante quanto a descoberta do fogo rsrs. Abre a cabeça, permite acesso a notícias, falar com qualquer pessoa no mundo, se informar sobre qualquer assunto. Para quem é interessado, salva a vida da pessoa. Eu acessei a internet pela primeira vez em 2000 e mudou a minha vida.

E também tem o e-learning que pode levar bons materiais e professores pra qualquer lugar que chega antenas ou fibra óptica, a baixíssimo custo.

A internet permite integrar, incluir, abrir a cabeça, dar idéias novas... a pessoas que estão isoladas.

Mas é, abrir um monte de lan-house pra molecada ficar no orkut ou jogar videogame, não adianta nada, como você falou, EDUCAÇÃO é essencial :)

O Burro que chora disse...

Fico feliz pela sua escolha...
A esperança não pode acabar...
E sinto na Marina a sinceridade...
O compromisso em acertar...
Que o Nosso Pai Maior ilumine a todos na hora do voto...
felicidades

Canteiro Pessoal disse...

Nicholas, estou com novo blog: http://funcoesmentais.blogspot.com/, caso quiseres conhecê-lo [!?]

Retornarei, pois seu post é intrigante e conclama dedos no teclado.

Priscila Cáliga

Fábrica dos Convites disse...

Eu estou bem desanimada com estas eleições, está uma palhaçada. Quando veejo no horário político os candidatos principalmente para deputado, dá um desânimo sem tamanho. E pensar que a população ainda vota nos tiriricas da vida. Depois querem reclamar do que? Bjs, Rose.

Ricardo Brandão disse...

Bom, pra senador eu te indicaria o Ricardo Young... Já leu alguma coisa sobre a biografia dele? É bem interessante!

Nícholas Fernandes Gimenes disse...

Obrigado Ricardo! Ouvi falar bem do Ricardo Young, mas qdo entrei no site dele, estava fora do ar.

Agora com seu comentário, entrei no site novamente e pude ler a biografia, as propostas (nada muito claro, mas comparando com o resto dos candidatos tá blza né)

Obrigado pela indicação, votarei nele ;)

Abs!

Canteiro Pessoal disse...

Nicholas, sua abordagem adentra no campo: até quando aceitaremos o deserto? até quando gerações não absorverão os erros e os acertos, numa análise criteriosa? até quando se trilhará em remendos? até quando o superficial será a linha em seguimento? até quando se apregoará fórmulas mágicas? até quando na veia da educação haverá boicotes e se formará robôs? até quando a visão de grande massa estará no pódio? até quando o diferencial, paladar em princípios estará em sepulcro? até quando a carne falará alto? até quando o racional do Egito para o Egito? até quando em palco o papel de cego, surdo e mudo? até quando...

Definitivamente, um MILAGRE bater à porta e o surgimento de um ser que não se venda por um prato de lentilha.

Priscila Cáliga

Canteiro Pessoal disse...

Nicholas, retorno, pois lendo, precisamente re-lendo trecho referente à educação no período da tarde, lembro-me das falas preciosas: Rafael e tu, com tamanha propriedade lançam aos territórios.

O declínio da Educação Romana

A educação já não se destina a ser a educação prática de todo o povo, mas o ornamento de uma sociedade oca, superficial e geralmente corrupta; já não é um estágio de desenvolvimento possível para o povo inteiro, ou para indivíduos de dada categoria, mas a simples obtenção ou mesmo mera insígnia de distinção de uma classe favorecida. Quando o antigo vigor político e as oprtunidades para as atividades políticas desapareceram, quando o governo se tornou mera máquina para coletar impostos [...]

Piletti, Nelson e Piletti, Claudino

Abraços

Priscila Cáliga

Priscila Cáliga

Blog Widget by LinkWithin