2.3.11

Previsivelmente Irracional, Dan Ariely - Resumo do Livro - Parte 1

Fala-se muito que os humanos são seres racionais. Levantamos informações, comparamos alternativas, identificamos vantagens e tomamos a melhor decisão. Aham :-P


Livro Previsivelmente Irracional - Dan Ariely

O economista comportamental Dan Ariely refuta o senso comum de que nos comportamos de formas racionais. Explica como expectativas, convenções sociais, e outras forças invisíveis distorcem as decisões.

Dan ArielyNão apenas cometemos erros crassos todos os dias, mas sempre os mesmos tipos de erros.

Superestimamos, subestimamos, procrastinamos e nos preciptamos - de forma sistemática. Somos Previsivelmente Irracionais.

É um assunto que me interessa. Vejo nos outros e em mim o quanto perdemos de dinheiro, tempo e oportunidades - por motivos ilógicos.

Não somos robôs, não é essa a "pretensão". Mas entender em quais momentos nossa racionalidade é limitada e o que a influencia, evita erros bestas e ajuda melhorar a vida através de decisões mais conscientes.

-----------------------------------------------

Resumo / Melhores Trechos:

Capítulo 1: A Verdade sobre Relatividade
Porque Tudo é Relativo - Mesmo quando não deveria ser

Nossas decisões são relativas. Estamos sempre fazendo comparações. A maneira como as opções são apresentadas e complexidade em compará-las influenciam nossa escolha.

Dadas 3 opções:
  • A
  • B (diferente de A, mas também interessante)
  • A- (similar a A, mas um pouco inferior)
Quase sempre escolhemos A, por ser fácil de comparar com A- e ser nitidamente superior.

Por exemplo, se tivermos que escolher entre férias em Paris (com café da manhã) e Roma (com café da manhã). É difícil decidir certo?

Se colocarmos uma 3ª opção: férias em Roma (sem café da manhã) aumenta a escolha das pessoas por Roma (com café da manhã). Se for feito com Paris, acontece o mesmo.

Isso é irracional. Esta 3ª opção ligeiramente inferior não deveria influenciar a escolha das pessoas por Roma ou Paris.


Isso ocorre até mesmo na escolha de parceiros. Apresentados o rosto A e um rosto B, e uma 3ª opção com o rosto A um pouco distorcido, aumenta a preferência pelo rosto A.

Quando a Williams-Sonoma lançou sua máquina standard de fazer pão, as vendas foram ruins. Após lançarem a versão deluxe (maior e mais cara), a versão standard disparou nas vendas pois dava impressão de ser barata.

Outro experimento demonstrou que ao invés de adquirir uma caneta de 25$, a maioria prefere dirigir até outra loja à 15min de distância e comprar uma de 18$, economizando 7$.

No entanto, se fosse um terno de $455, a maioria não iria até outra loja para economizar os mesmos 7$. Não faz sentido!

Vejamos Sam, um vendedor de TVs. Ele nos mostra 3 opções:
  • 36' Panasonic por $690
  • 42' Toshiba por $850
  • 50' Philips por $1,480
Qual você escolheria?

Sam sabe que as pessoas tem dificuldade em comparar as opções. Quem consegue dizer se a Panasonic de $690 é melhor do que a Philips de $ 1.480?

Mas Sam sabe que dadas 3 opções, as pessoas geralmente escolhem a do meio. Qual ele coloca no meio? A que deseja vender.


Repare nos círculos pretos. Não parecem ser do mesmo tamanho, mas são. O círculo cercado por grandes, parece menor. Quando cercado por círculos pequenos, parece menor. Depende dos círculos cinzas em volta.

Relativamos o mundo físico - torradeiras, bicicletas, animais, restaurantes, esposas - e também coisas mais efêmeras: emoções, atittudes, pontos de vista.

Não sabemos nem o que queremos de nossas vidas - até conhecermos alguém que esteja fazendo aquilo que achamos que deveríamos fazer.

A boa notícia é que às vezes podemos controlar os "círculos" em volta, ficando próximos de círculos menores e aumentar nossa felicidade relativa. Quanto mais temos, mais queremos. A única cura é quebrar o ciclo da relatividade.

Achamos fácil gastar $3.000 para melhorar os bancos de um carro que compramos por $25.000, mas difícil gastar isso com um novo sofá (mesmo quando passamos mais tempo em casa do que no carro).

Uma forma de evitar desperdiçar dinheiro é pensar de forma mais aberta, comparar esse valor de $3.000 com outras coisas que poderíam ser adquiridas como livros, viagens ou experiências.

-----------------------------------------------

YouTube - Predictably Irrational
Chapter 1: Everything is Relative




Imagine que você está entra em uma empresa, ganhando um salário de $ 70.000 ao ano. Está feliz?

Agora, pense que você descobre ser o menor salário da empresa, que todos ganham até $ 100.000 ao ano.

Quão feliz você está?

Agora imagine que você ganha $ 65.000 mas é o maior salário da empresa, onde o piso é $ 45.000

Em qual estaria mais feliz? Embora ganhando menos, provavelmente na segunda opção.

Nossa felicidade não depende só do que temos, mas do que temos em relação ao que os outros têm.

Um lanche em um prato pequeno, parece maior e dá a sensação de que você comeu mais, do que em um prato grande.

Relatividade é a tendência de estimar o valor das coisas de acordo como elas se comparam com outros itens.

Isso afeta diretamente nossa felicidade e a inveja (que pode nos incentivar a fazer coisas ruins).

Mudamos para uma casa maior, em uma vizinhança melhor - esperando sermos mais felizes. Mas logo nos adaptamos e começamos a fazer comparações com o que estiver disponível onde estamos.

Nossa felicidade depende, não só do que temos, mas do que não temos e que for de fácil comparação.

-----------------------------------------------
Veja também:
Ler para Ser: 50 Livros que Fizeram a Diferença
-----------------------------------------------

Em breve, outros capítulos:

CAPÍTULO 2
A Falácia da Oferta e Demanda:
Por que o preço das pérolas, e tudo mais - está subindo pelos ares

CAPÍTULO 3
O custo do custo zero:
Por que, muitas vezes, pagamos muito quando não pagamos nada

CAPÍTULO 4
O custo das Normas Sociais:
Por que estamos felizes em fazer coisas, mas não quando somos pagos para fazê-las

CAPÍTULO 5
A Influência do Nível de Alerta:
Porque quente é muito mais quente do que imaginamos

CAPÍTULO 6
O problema da procrastinação e auto-controle:
Porque nós não podemos fazer o que queremos fazer

CAPÍTULO 7
O Alto Preço da Propriedade:
Porque nós supervalorizarmos o que temos

CAPÍTULO 8
Manter Portas Abertas:
Porque opções nos distrai do nosso objetivo principal

CAPÍTULO 9
O efeito das expectativas:
Por que a mente consegue aquilo que ela espera

CAPÍTULO 10
O Poder de preço:
Por que uma aspirina de 50 centavos pode fazer o que uma de 1 centavo não pode

CAPÍTULO 11
O contexto do nosso caráter, Parte I:
Porque somos desonestos, e o que podemos fazer sobre isso

CAPÍTULO 12
O contexto do nosso caráter, Parte II:
Porque lidar com dinheiro nos torna mais honestos

CAPÍTULO 13
Refeições e Cerveja Grátis:
O que é Economia Comportamental e onde estão os almoços grátis?



Gostou? Compartilhe:
TwitterStumbleupondel.icio.us

0 comentários:

Blog Widget by LinkWithin