13.6.11

AUTOSSABOTAGEM - Parte 4: Dicas para Superá-la

"Seja a mudança que você deseja ver no mundo"

(Mahatma Gandhi)


Autossabotagem
Série sobre AUTOSSABOTAGEM:

Aceitação


Se uma situação ruim é recorrente na sua vida, em qualquer área (profissional, amorosa, etc), dificilmente é azar. O provável é que seja consequência dos seus hábitos e pensamentos.

Enquanto atribuir a fatores externos, nada irá mudar.

Aceite que as causas podem estar no nosso comportamento.

Compreenda que o comportamento é resultado de nossos pensamentos, e pode ser mudado.

Esse é o primeiro passo.

Terapia

Os hábitos de autossabotagem são arraigados, pode ser dificil de trabalhá-los sozinho. Procure um psicólogo. É o caminho mais rápido, e o melhor.

Li que as pessoas demoram em média 4 anos para ir a um psicólogo, após identificarem um problema.

Sofrem durante esse tempo, perdendo amizades, casamentos, oportunidades profissionais.

Deixe de preconceito. Conheço pessoas que tiveram ótimos resultados.

Uma sessão de terapia não é o mesmo que conversar com amigos e familiares. O psicólogo é uma pessoa de fora, paga para te ouvir e ajudar, acostumado a inseguranças e ressentimentos - você pode falar sem reservas de magoar alguém.

Ele irá ajudar a desenvolver a sua visão do mundo e de si mesmo, que são a base dos seus comportamentos.

Avalie bem o profissional e conheça a linha de terapia que ele adota. Experimente algumas sessões. Vale a pena.

Identificação

Separe tempo para relaxar e refletir. É preciso silêncio e foco. Deixe o ego de lado. Reflita sobre seus comportamentos e pensamentos.

Aceite a realidade. Pense no que amigos e familiares dizem sobre você. Avalie as opiniões construtivas.

Veja a lista de pensamentos e hábitos sabotadores. Verifique quais são frequentes e te prejudicam. Busque os disparadores (pessoas, lugares, situações). Conheça as causas mais comuns.

Mudança de Comportamento

Identificados os pensamentos e hábitos sabotadores, pode-se encontrar os conflitos de origem.

Conhecendo esses conflitos, é possível encontrar alternativas para resolvê-los, ou superá-los. Às vezes são sentimentos relacionados à pessoas ou situações que nem existem mais, não tem lógica continuarem afetando sua vida.

Auto-confiança não é Vaidade. Investir em si mesmo não é egoísmo. Ser autêntico não é ofensa. Ser feliz não é errado.

Reformule seus pensamentos. Domínio de si mesmo é tudo na vida. Substitua as idéias limitadoras por pensamentos produtivos.

Bernardo Stamateas, autor do livro Autossabotagem, cita alguns pensamentos produtivos:
  • Não me sabotar é ter confiança em mim
  • Não me sabotar é poder ter intimidade
  • Não me sabotar é não depender das pessoas
  • Não me sabotar é investir em mim
  • Não me sabotar é querer superar a mim mesmo
  • Não me sabotar é pensar triunfantemente
  • Não me sabotar é contar meus sonhos e correr atrás deles
  • Não me sabotar é desenvolver minha inteligência social e emocional
  • Não me sabotar é dar-me permissão para vencer
  • Não me sabotar é mostrar meu eu verdadeiro
  • Não me sabotar é praticar hábitos de sucesso
  • Não me sabotar é buscar ser mais feliz

Frente ao medo, pense: "Qual o pior que pode acontecer?". Perder o emprego? Começar de novo? Exceto para morte, tudo tem jeito. Nada é definitivo, irremediável. Não existe fracasso. Encare tudo como experiência, aprendizado, crescimento, fortalecimento.

Sempre dá para tentar de novo, tentar diferente, voltar atrás, mudar o rumo. Em toda dificuldade há uma oportunidade.

Converta sua preocupação em energia para se preparar, planejar e se dedicar.

Não aja com base apenas na emoção. Espere 1 dia. Pense "Por que estou sentindo isso? É válido? Qual é a atitude mais produtiva?".

Reflita sobre críticas construtivas, peça por elas. Afaste-se de pessoas nocivas, que te rotulam e fazem comentários destrutivos.

Foco nas soluções, não nos problemas, nas justificativas, nos culpados.

Simplifique. Não desperdice tempo ou dinheiro. Pense no custo-benefício. Defina prioridades.

Tenha grandes objetivos, e divida-os em metas menores, desafiadoras mas possíveis. Vá cumprindo as etapas até concluir o objetivo maior.

Cuide do seu corpo, da sua aparência, do seu ambiente, da sua atitude, dos seus pensamentos.

Dedique-se ao seu crescimento pessoal. Aprenda com as pessoas que admira, repare nos hábitos e na visão de mundo delas. Leia livros. Reveja seus pensamentos.

Nas situações em que você se autossabota, e agora tem consciência da sua atitude, aja diferente. Não importa se sairá bem ou não, o objetivo não é perfeição, mas progredir.

Encare desafios. Conforme vai superando-os, sua confiança e capacidade aumenta.

Seja paciente e persistente. A mudança é de longo prazo. Lute com todas as forças contra a Autossabotagem.

Comece agora.

---

No próximo e último post, vou citar frases, links, livros, vídeos e textos - que serviram de referência para essa série sobre Autossabotagem ;)


"Não importa o que aconteceu com um homem.
Importa o que ele faz com o que aconteceu com ele."


(Jean-Paul Sartre)



Gostou? Compartilhe:
TwitterStumbleupondel.icio.us

2 comentários:

Anônimo disse...

Nossa! muito boa a série, me ajudou bastante, eu me auto-sabotava sem saber.

Canteiro Pessoal disse...

"Analisar-se, conhecer-se, olhar de perto para si mesma, distinguir e reavaliar, denominar, demitologizar, elaborar, digerir e superar o que for que encontrar. Esta é uma análise: ela aposta no processo de conscientização como resolução do conflito (interior, exterior, existencial, etc.). Cada um de nós é um laboratório ambulante de transformação de energias, uma poderosa máquina para resolver problemas, transmutar a matéria (o pensamento dado, velho e mofado), reinventar a vida, abrir caminhos, descobrir e criar".

Abraços

Priscila Cáliga

Blog Widget by LinkWithin