19.12.14

Felicidade - Luiz Tatit


▶ Felicidade ♫ Luiz Tatit - YouTube



Não sei porque eu tô tão feliz
Não há motivo algum pra ter tanta felicidade
Não sei o que que foi que eu fiz
Se eu fui perdendo o senso de realidade
Um sentimento indefinido
Foi me tomando ao cair da tarde
Infelizmente era felicidade
Claro que é muito gostoso
Claro que eu não acredito
Felicidade assim sem mais nem menos é muito esquisito

Não sei porque eu tô tão feliz
Preciso refletir um pouco e sair do barato
Não posso continuar assim feliz
Como se fosse um sentimento inato
Sem ter o menor motivo
Sem uma razão de fato
Ser feliz assim é meio chato
E as coisas nem vão muito bem
Perdi o dinheiro que eu tinha guardado
E pra completar depois disso
Eu fui despedido e estou desempregado
Amor que sempre foi meu forte
Não tenho tido muita sorte
Estou sozinho, sem saída, sem dinheiro e sem comida
E feliz da vida!!!

Não sei porque eu tô tão feliz
Vai ver que é pra esconder no fundo uma infelicidade
Pensei que fosse por aí, fiz todas terapias que tem na cidade
A conclusão veio depressa e sem nenhuma novidade
O meu problema era felicidade
Não fiquei desesperado, não, fui até bem razoável
Felicidade quando é no começo ainda é controlável

Não sei o que foi que eu fiz
Pra merecer estar radiante de felicidade
Mais fácil ver o que não fiz
Fiz muito pouca aqui pra minha idade
Não me dediquei a nada
Tudo eu fiz pela metade, porque então tanta felicidade
E dizem que eu só penso em mim, que sou muito centrado
Que eu sou egoísta
Tem gente que põe meus defeitos em ordem alfabética
E faz uma lista
Por isso não se justifica tanto privilégio de felicidade
Independente dos deslizes dentre todos os felizes
Sou o mais feliz

Não sei porque eu tô tão feliz
E já nem sei se é necessário ter um bom motivo
A busca de uma razão me deu dor de cabeça, acabou comigo
Enfim, eu já tentei de tudo, enfim eu quis ser conseqüente
Mas desisti, vou ser feliz pra sempre
Peço a todos com licença, vamos liberar o pedaço
Felicidade assim desse tamanho
Só com muito espaço!


0 comentários

Gostou? Compartilhe:
TwitterStumbleupondel.icio.us

1.12.14

Joseph Eze: Arte que une Política e o Feminino na África

Tiveram grande impacto em mim esses trabalhos do nigeriano Joseph Eze. =)

Mistura palavras e pinturas incríveis com um olhar político sobre o feminino e a tradição na cultura africana.

Vi no excelente geledes.org.br





























0 comentários

Gostou? Compartilhe:
TwitterStumbleupondel.icio.us

25.11.14

Blog da Lola - Seleção dos Melhores Posts - Dia pelo Fim da Violência contra a Mulher:

Eu me sinto em dívida com o blog da Lola.

Faz uns anos que acompanho diariamente e abriu minha cabeça dura igual uma lata de sardinha.

Pensava que eu era uma pessoa "consciente". Admito, constrangido e arrependido, que muito machismo passava e era reproduzido por mim sem eu nem perceber.

Agora reparo em toda parte, em cada frase que escapa, nas brincadeiras, no olhar. Tantas vidas censuradas, sabotadas, destruídas. Já chega né?

Estou com pressa e há muito o que ser dito aqui. Mas pensando bem, importante mesmo é os homens fecharem o bico um pouco e ouvirem com empatia o que elas tem para dizer.

Abaixo, uma seleção (fiz correndo, por cima) dos melhores posts (não sei se posso chamar assim) do blog da Lola.
 



Melhores posts do Blog da Lola

Escreva Lola Escreva: NO TEMPO DA VOVÓ ERA MELHOR. ERA MESMO?

Escreva Lola Escreva: NÃO ÉRAMOS FELIZES

Escreva Lola Escreva: "OBRIGADO POR MATAR A CADA DIA O MEU MACHISMO"

Escreva Lola Escreva: GUEST POST: UM HOMEM UM POUQUINHO MELHOR

Escreva Lola Escreva: GUEST POST: O FEMINISMO RECONSTRUIU MINHA AUTOESTIMA

Escreva Lola Escreva: NÃO ENTRE NAS OLIMPÍADAS DA OPRESSÃO

Escreva Lola Escreva: RAZÕES PRA SER FEMINISTA: DADOS PARA VOCÊ USAR

Escreva Lola Escreva: "PARE DE ME INTERROMPER, CARA"

Escreva Lola Escreva: CORPOS PERFEITOS

Escreva Lola Escreva: GUEST POST: A PUNIÇÃO DA IDOL JAPONESA

Escreva Lola Escreva: COMO LIDAR COM A PRESSÃO PARA TER FILHOS

Escreva Lola Escreva: A MAIOR GAFE DE COMO SER MULHER

Escreva Lola Escreva: A DIMENSÃO DO ESTRAGO

Escreva Lola Escreva: AOS HOMENS QUE SE AUTO-BOICOTAM

Escreva Lola Escreva: SÓ DIZ QUE ANTIGAMENTE ERA MELHOR QUEM NÃO VIVEU LÁ

Escreva Lola Escreva: O RISO DOS OUTROS

Escreva Lola Escreva: VÍTIMAS DA GORDOFOBIA

Escreva Lola Escreva: A DOENÇA MASCULINA

Escreva Lola Escreva: POSIÇÃO CONTRA OS HOMENS EM ESPAÇOS FEMINISTAS

Escreva Lola Escreva: O ALTO PREÇO DE SER UMA BOA MENINA

Escreva Lola Escreva: UM LINDO DIA PRA VOCÊ ESCOLHER QUE HOMEM QUER SER

Escreva Lola Escreva: GUEST POST: MEUS PROBLEMAS POR SER GAY

Escreva Lola Escreva: UM MASCU FELIZ NO CASAMENTO

Escreva Lola Escreva: GUEST POST: O FEMINISMO ME MOSTROU QUE SOU VÍTIMA CONSTANTE DA VIOLÊNCIA

Escreva Lola Escreva: GUEST POST: PRA VOCÊS LEREM ANTES DE ACORDAR

Escreva Lola Escreva: A ÁRDUA TAREFA DE NÃO SER ESTUPRADA

Escreva Lola Escreva: GUEST POST: JOVEM, MULHER, TRANS, FEMINISTA. E CANDIDATA!

Escreva Lola Escreva: SUZANE, UMA SOBREVIVENTE DA MISOGINIA

Escreva Lola Escreva: GUEST POST: ODEIO SER MÃE

Escreva Lola Escreva: DEZ MOTIVOS PARA OS HOMENS AMAREM O FEMINISMO

Escreva Lola Escreva: GUEST POST: AS MUITAS HISTÓRIAS DE HORROR DE UMA SÓ LEITORA

Escreva Lola Escreva: O QUE SE PODE APRENDER COM O MAIOR ESTUDO JÁ FEITO SOBRE ESTUPRO

Escreva Lola Escreva: GUEST POST: HOMENS "HUMANISTAS" QUE REJEITAM O FEMINISMO NÃO SÃO HUMANISTAS

Escreva Lola Escreva: GUEST POST: HOMENS, APRENDAM A RESPEITAR

Escreva Lola Escreva: GUEST POST: COMO O MACHISMO QUASE ME FEZ DESISTIR DA ENGENHARIA

Escreva Lola Escreva: NÃO É SÓ GRUPO TERRORISTA NIGERIANO QUE É CONTRA EDUCAÇÃO DE MENINAS

Escreva Lola Escreva: GUEST POST: HORROR SE APRENDE CEDO

Escreva Lola Escreva: GUEST POST: A ETERNA LUTA CONTRA OS CABELOS CACHEADOS

Escreva Lola Escreva: GUEST POST: CULTURA DO ESTUPRO SILENCIOU MINHA FAMÍLIA

Escreva Lola Escreva: NEM TODO HOMEM ODEIA MULHER. MAS TODO HOMEM SE BENEFICIA DO SEXISMO

Escreva Lola Escreva: HOMENS PODEM (E DEVEM) SER FEMINISTAS

Escreva Lola Escreva: GUEST POST BOMBA: GURU MASCU PEDE DESCULPAS

Escreva Lola Escreva: CINCO VERDADES INCÔMODAS POR TRÁS DO MOVIMENTO DOS DIREITOS DOS HOMENS

Escreva Lola Escreva: GUEST POST: PRECISAMOS FALAR SOBRE ESTUPRO

Escreva Lola Escreva: POR QUE DESISTI DE CAÇAR

 
 


Veja também:

0 comentários

Gostou? Compartilhe:
TwitterStumbleupondel.icio.us

19.11.14

Junip - Oba, lá vem ela (música do Jorge Ben)

Versão de uma música do Jorge Ben, tocada pela banda sueca Junip.

Achei muito boa, e o sotaque deles bem de leve acho divertido :)

▶ Junip - Oba, Lá Vem Ela - YouTube



0 comentários

Gostou? Compartilhe:
TwitterStumbleupondel.icio.us

18.11.14

Feminismo no Graffit - Negahamburguer

Site oficial: Negahamburguer (Evelyn Queiroz)






0 comentários

Gostou? Compartilhe:
TwitterStumbleupondel.icio.us

13.11.14

"Olhos Parados", poema de Manoel de Barros

quadro de Edward Hopper

"Ah, ouvir mazurcas de Chopin num velho bar, domingo de manhã!

Depois sair pelas ruas, entrar pelos jardins e falar com as crianças.

Olhar as flores, ver os bondes passarem cheios de gente, e encostado no rosto das casas, sorrir…

Saber que o céu está em cima.
Saber que os olhos estão perfeitos e que as mãos estão perfeitas.
Saber que os ouvidos estão perfeitos. Passar pela Igreja.

Ver as pessoas rindo. Ver os namorados cheios de ilusões.

Sair andando à toa entre as plantas e os animais.

Ver as árvores verdes do jardim. Lembrar das horas mais apagadas.

Por toda parte sentir o segredo das coisas vivas.

Entrar por caminhos ignorados, sair por caminhos ignorados.

Ver gente diferente de nós nas janelas das casas, nas calçadas, nas quitandas.
Ver gente conversando na esquina, falando de coisas ruidosas.
Ver gente discutindo comércio, futebol e contando anedotas.
Ver homens esquecidos da vida, enchendo as praças, enchendo as travessas.

Girar os braços, respirar o ar fresco, lembrar dos parentes.

Lembrar da cidade onde se nasceu, com inocência, e rir sozinho.

Rir de coisas passadas. Ter saudade de pureza.

Lembrar de músicas, de bailes, de namoradas que a gente já teve.
Lembrar de lugares que a gente já andou e de coisas que a gente já viu.
Lembrar de viagens que a gente já fez e de amigos que ficaram longe.
Lembrar dos amigos que estão próximos e das conversas com eles.

Saber que a gente tem amigos de fato!

Tirar uma folha de arvore, ir mastigando, sentir os ventos pelo rosto…

Sentir o sol. Gostar de ver as coisas todas.

Gostar de estar ali caminhando. Gostar dessa emoção tão cheia de riquezas íntimas.

Pensar nos livros que a gente já leu, nas alegrias dos livros lidos.
Pensar nas horas vagas, nas horas passadas lendo poesias de Anto.

Lembrar dos poetas e imaginar a vida deles muito triste.

Imaginar a cara deles como de anjos. Pensar em Rimbaud, na sua fuga, na sua adolescência, nos seus cabelos de ouro.

Não ter idéia de voltar para casa. Lembrar que a gente, afinal de
contas, está vivendo muito bem e é uma criatura até feliz. Ficar
admirado.

Descobrir que não nos falta nada. Dar um suspiro bom de alívio, olhar com ternura a criação e ver-se pago de tudo.
Descobrir que, afinal de contas, não se possui nenhuma queixa.

Que está sem nenhuma tristeza para dizer no momento.

Lembrar que não sente fome e que os olhos estão perfeitos.

Para falar a verdade, sentir-se quite com a vida.

Lembrar de amigos. Recordar um por um. Acompanhá-los na vida.

Como estão longe, meu Deus! Um aqui. Outro lá. Tão distantes …

Que fez deste o destino? E daquele? Quase vai se esquecendo do rosto de um … Tanto tempo!

Ter vontade de escrever para todos os amigos.
Ter vontade de lhes contar a vida até o momento presente.

Pensar em encontrá-los de novo. Pensar em reuni-los em torno de uma mesa.

Uma mesa qualquer em um lugar que a gente ainda não escolheu.

Conversar com todos eles. Rir, cantar, recordar os dias idos.

Dar uma olhada na infância de cada um. Aquele era magro, Venício…

Aquele outro era gordo, Abelardo … Aquele outro era triste.

Ah, não esquecer jamais deste último, porque era um menino triste.

Como andarão agora? Naturalmente, mais velhos.

Talvez não conhecerei alguns. Naturalmente, mais senhores de si,

Imaginar todos eles com ternura. Pensar nos mais fracos, naqueles, naturalmente, para quem o mundo deve ter sido menos bom.

Pensar que eles já vêm. Abrir os braços.

Procurar descobrir, no mundo que nos envolve, alguma voz que tenha acento parecido.

Algum andar que lembre o andar longínquo de algum deles…

Ah, como é bom a gente ter infância!

Como é bom a gente ter nascido numa pequena cidade banhada por um rio.

Como é bom a gente ter jogado futebol no Porto de Dona Emília, no Largo da Matriz.
E se lembrar disso agora que já tantos anos são passados.

Como é bom a gente ter tido infância e poder lembrar-se dela.
E trazer uma saudade muito esquisita escondida no coração.

Como é bom a gente ter deixado a pequena terra em que nasceu.
Ter fugido para uma cidade maior, conhecer outras vidas.

Como é bom chegar a este ponto de olhar em torno
E se sentir maior e mais orgulhoso porque conhece outras vidas…

Como é bom se lembrar da viagem, dos primeiros dias na cidade.
Da primeira vez que olhou o mar, da impressão de atordoamento.

Como é bom olhar para aquelas bandas e depois comparar.
Ver que está tão diferente, e que já sabe tantas novidades…

Como é bom ter vindo de tão longe, estar agora caminhando,
Pensando e espiando no meio de pessoas desconhecidas

Como é bom achar o mudo esquisito por isso, muito esquisito mesmo.
E depois sorrir levemente para ele com os seus mistérios …

Que coisa maravilhosa, exclamar. Que mundo maravilhoso, exclamar.

Como tudo é tão belo, tão cheio de encantos!

Olhar para todos os lados, olhar para as coisas mais pequenas, e descobrir em todas uma razão de beleza.

Agradecer a Deus, que a gente ainda não sabe amar direito,

A harmonia que a gente sente, vê e ouve.

A beleza que a gente vê saindo das rosas, a dor saindo das feridas.

Agradecer tanta coisa que a gente não pode acreditar que esteja acontecendo.

Lembrar de certas passagens. Fechar os olhos para ver no tempo.

Sentir a claridade do sol, espalmar os dedos, cofiar os bigodes,

Lembrar que tinha saído de casa sem destino, que passara num bar, que ouvira uma mazurca,

E agora estava ali, muito perdidamente lembrando coisas bobas de sua pequena vida."

---------------------------

Poesia incrível =) o início de cada verso já é um poema:

"Saber... Ver gente... Lembrar.... Pensar.... Descobrir....Ter vontade... Imaginar.... Como é bom... Como é bom.... Agradecer"

Valeu Manoel!

Veja também:

0 comentários

Gostou? Compartilhe:
TwitterStumbleupondel.icio.us

1.11.14

Poema "Nirvana" - Charles Bukowski

Só o velho Buk para escrever um poema desses. Vídeo incrível tb. =)

0 comentários

Gostou? Compartilhe:
TwitterStumbleupondel.icio.us

30.10.14

Filme Anarquista "A Febre do Rato" (2011)


Filme nacional vencedor de 8 Prêmios no festival de Paulínia/2011:
  • Melhor filme
  • Melhor ator
  • Melhor atriz
  • Melhor fotografia
  • Melhor montagem
  • Melhor trilha sonora
  • Melhor direção de arte
  • e Prêmio da crítica.

E se eu fosse um dos jurados, dava todos esses prêmios... e mais os que tivessem lá.

Os atores mandam MUITO, fotografia espetacular, falas fodásticas, trilha sonora incrível... FILMÃO! =)

Dou também o prêmio Melhor Indicação, pois se não fosse a Mah falar, eu não teria assistido tão cedo... e tem tudo a ver com o que tenho lido ultimamente.



Trailer

Febre do Rato - Trailer oficial - YouTube



----------------------------------------

Trecho de uma crítica, extraída daqui Febre do Rato: Criticas AdoroCinema

 Febre do rato é uma expressão típica do Nordeste, que significa estar fora de controle. Metáfora apenas aparente para Zizo, personagem principal de Febre do Rato, o filme. Poeta por vocação, ele dedica a vida à publicação de seu jornaleco, cujo nome é o mesmo do título. O objetivo é expor suas ideias, repletas de propostas anárquicas que valorizam o livre arbítrio das pessoas, sem se prender às amarras morais impostas pela vida civilizada. Quem não conhece o mundo de Zizo pode imaginar que ele esteja com a febre do rato, ou seja, fora de controle. Só que a verdade é justamente o oposto.

----------------------------------------


 

0 comentários

Gostou? Compartilhe:
TwitterStumbleupondel.icio.us

Romance Anarquista "O Coiote" - Roberto Freire

Curti DEMAIS! =)


Combina vários dos meus interesses - Wilhelm Reich, Jimi Hendrix, grupos auto-geridos, cooperativismo, pós-industrialismo, amores libertários, a paisagem de Visconde de Mauá, vida sustentável, realização pela livre expressão da minha individualidade e capacidade, Tesão pela Vida, etc, etc, etc.

Doideira, Doideira esse livro! Causa desconforto e encantamento, estranheza e atração... hummm tipo estar apaixonado saca? É! O livro me pegou =)

Não vou conseguir falar muito do impacto do livro sobre mim, porque ainda está reverberando na caxola, precisaria esperar assentar, mas a ansiedade em compartilhar por aqui é sempre imediata e arrebatadora, melhor obedecer né :-P

Fiz uma sinopse (essa palavra vale só pra filme, ou pra livro também?) misturando com a descrição que vi no site somaterapia.com.br

Dr. Rudolf, psiquiatra e psicanalista, assina sua própria internação em um sanatório, conhece lá a atriz Leonora, suposta amante do antipsicanalista Wilhelm Reich (ex-discípulo de Freud) que apresenta-lhe novos e revolucionários métodos de terapia corporal. Conhece também um rapaz extraordinário, uivando em seu sítio em Mauá, apelidado de Coiote, que desencadeia uma aventura de conseqüências imprevisíveis, com novas e utópicas formas de vida comunitária anarquista. Entre a hipocrisia das relações sociais e a violência dos mecanismos de repressão, investigações sobre esquizofrenia e a causa fundamental das neuroses, desenvolve-se uma história de amores libertários – ora impossíveis, ora furiosos, ora encantatórios - com personagens incríveis e uma existência repleta de Tesão, liberando a expressão da originalidade única que habita cada um de nós e que buscará romper com as amarras internas e externas herdadas da nossa atual sociedade capitalista, industrial, antiecológica, autoritária e conservadora.

Achei o final do livro incrível! =)

Estou empolgadaço com o Betão (Roberto Freire), vamo em frente! "sempre vivos, sempre adiante, [...] Eles vão! eles vão! eu sei que eles vão, mas não sei aonde vão, mas sei que vão em busca do melhor—de algo ótimo." (Walt Whitman) =)

Terminei também o "Soma - uma terapia anarquista vol 2.", agora estou lendo "Cleo e Daniel" (que falei que não iria ler tão cedo né) e "Viva Eu, Viva Tu, Viva o Rabo do Tatu". Chegou hoje aqui em casa o último livro escrito por ele e junto com alguns de seus amigos, "O Tesão pela Vida", parece ser um apanhadão de tudo, tá com cara de ser fera.

Voltando para "O Coiote"... tem vários trechos que gostei MUITO, mas que são grandes e acho que não valem a pena fora de contexto... o importante é o espírito que o livro passa né? Ainda assim, separei alguns trechos curtos:

"A gente não sente amor ou desejo pelas pessoas. A gente sente essas coisas com as pessoas."

"Precisamos ser irreais sempre, para não morrer de realidade."

"- Tesão! Tesão, Bruxo! Coisa de gente jovem, de gente saudável, de gente alegre! Tesão é a palavra mais bonita que existe! Tem a ver com prazer, alegria e beleza ao mesmo tempo. Você não sabe o que o tesão tem a ver com o anarquismo porque você é um anarquista teórico e intelectual. [...] O tesão de viver é outra coisa! Isso é o que verdadeiramente se chama anarquismo!"

"- Cada pessoa precisa encontrar toda a capacidade de amar dentro de si mesma, sozinha.
- Então, o amor já está pronto, todo, dentro de nós mesmos.
- Quem não tem o controle de todo o seu potencial de amor, quando encontra alguém, apenas parasita o amor do outro.
- E isso não é amor...
- Não, é o contrario do amor.
- Assim, um parasita o amor do outro, para completar o amor que está lhe faltando para  viver. [...]
- Cada pessoa precisa encontrar toda a capacidade dc viver
em si mesma.
- Então, a vida está toda dentro de nós mesmos, sozinhos...
- Quem não tem o controle de todo o seu potencial de viver, quando encontra alguém parasita a vida do outro.
- E isso não é vida...
- Não, é o contrário da vida."

"Pessoalmente, não tenho projeto, porque minha ideologia é a do medo e não passo de um marginal parasita que, de repente, descobriu não estar ainda totalmente morto."

"O amor simplesmente acontece. como um raio, como um poema, como a vida, como a morte. Assim. a grandeza de uma relação depende da humildade em não se imaginar produtor, proprietário, autor, responsável do amor. Hão de viver mais profunda e intensamente o amor os que dele se sentirem apenas usuários circunstanciais, provisórios e descartáveis. Assim como se possui a luz do sol, a água do mar, o oxigênio do ar e a beleza de uma paisagem ao entardecer. [...]
Quando um amor-paixão acaba, ele não perde necessariamente a beleza e o prazer. Apenas vai do singular para o plural."

"A verdadeira genitália do homem é o corpo."

"Não vou beber mais. [...] Não tenho mais medo de viver. Não tenho mais medo do meu amor. Não tenho mais medo da minha loucura."

"Numa sociedade toda organizada em torno da luta pelo poder, quando a vida social se transforma em luta pelo prazer... já pensou, querido? Veja se me entende: para que a vida seja luta pelo poder, é preciso que todo mundo faça isso, porque assim os mais poderosos sempre ganham, com dinheiro, violência, armas, etcétera, entende? Agora, se um grupo grande, como a juventude, por exemplo, não vai nessa, quando descobre que não há prazer algum no trabalho, na guerra, na burocracia, na submissão, no uso da força bruta, nas armas, no dinheiro, no consumo... É uma ousadia imensa, imperdoável!"

"Não esquenta. Sou apenas uma coisa que ainda não deu certo."



2 comentários

Gostou? Compartilhe:
TwitterStumbleupondel.icio.us

28.10.14

Little Wing e Castles Made of Sand - Jimi Hendrix

Viciado nessa música Little Wing! Meu quarto gira, gira, gira... pro espaço ouvindo essa música!  pena que ela é curtinha... gosto de emendar com Castles Made of Sand =)

The Jimi Hendrix Experience - Little Wing - YouTube



Jimi Hendrix - Castles Made of Sand - Sub Ingles Español - YouTube



 

1 comentários

Gostou? Compartilhe:
TwitterStumbleupondel.icio.us
Blog Widget by LinkWithin