22.9.14

Canção da Estrada Aberta - Walt Whitman (Versos Selecionados)

Song of the Open Road é um dos poemas que mais gosto.
Walt Whitman é o melhor! =)

Selecionei e adaptei os versos... a partir das traduções de Gentil Saraiva e de Geir Campos.

A poesia original, em inglês, pode ser lida aqui:
Song of the Open Road by Walt Whitman : The Poetry Foundation

São Bento do Sapucaí - SP - AGO/2014

Vídeo - veja em tela cheia! ;)

▶ Trechos - Poesia Canção da Estrada Aberta (Song of the Open Road) de Walt Whitman - YouTube



Slides

Trechos da poesia Canção da Estrada Aberta (Song of the Open Road) - Walt Whitman from Nicholas Fernandes Gimenes -



A pé e com o coração iluminado me entrego à estrada aberta,
Saudável, livre, o mundo à minha frente,
A longa trilha de terra levando aonde eu escolher.

Daqui em diante não peço mais boa-sorte, boa-sorte sou eu mesmo.
Daqui em diante eu não lamento mais, eu não adio mais, não careço de nada;

Forte e contente percorro a estrada aberta.
A terra, isso é o bastante,
Não quero as constelações mais próximas,
Sei que estão muito bem onde estão,
Sei que elas bastam àqueles que lhes pertencem.

(Ainda aqui carrego meus velhos fardos deliciosos,
Os carrego, homens e mulheres, os carrego comigo aonde quer que vá,
Juro que é impossível me livrar deles,
Sou preenchido por eles e os preencherei em troca.)

A terra a se expandir à direita e à esquerda,
pintura viva, cada ponto com sua luz melhor,
a música descendo onde faz falta
e em silêncio onde sua falta não se sente,
a alegre e fresca sensação da estrada.

A partir de agora me ordeno liberado de limites e linhas imaginárias,
Indo aonde eu queira, meu próprio mestre total e absoluto,
Ouvindo outros, considerando bem o que dizem,
Parando, buscando, recebendo, contemplando,
Gentilmente, mas com vontade inegável, me despindo das amarras que me reteriam.

Inalo grandes porções de espaço,
O leste e o oeste são meus, e o norte e o sul são meus.
Tudo parece belo para mim

Posso repetir a homens e mulheres
Fizestes tal bem a mim que eu faria o mesmo a vós,
Quem me negar não me perturbará,
Quem me aceitar ele ou ela será abençoado e me abençoará.

Agora vejo o segredo de fabricação das melhores pessoas,
É crescer ao ar livre e comer e dormir com a terra.
Eis o teste de sabedoria,
Sabedoria não é finalmente testada em escolas,
Sabedoria é da alma, não é suscetível de prova, é sua própria prova,
É a certeza da realidade e imortalidade das coisas, e a excelência das coisas;

Agora reexamino filosofias e religiões,
Elas podem se revelar bem em salas de conferência, contudo não revelar nada sob as amplas nuvens e junto a paisagem e fluidas correntes.

Eis realização, eis um homem apurado —ele realiza aqui o que ele tem nele,
O passado, o futuro, majestade, amor—se estiverem vazios de ti, estás vazio deles.

A emanação da alma vem de dentro por portões copados, sempre questões provocantes,
Por que há esses anseios? Por que há esses pensamentos na escuridão?
Por que há homens e mulheres que enquanto estão junto a mim a luz do sol expande meu sangue?
Por que quando me deixam minhas flâmulas de júbilo afundam chatas e frouxas?
Por que há árvores sob as quais nunca ando e, contudo, fazem com que grandes e melodiosos pensamentos desçam sobre mim?

Aqui se eleva o fluido e aderente caráter,
O fluido e aderente caráter é o frescor e doçura de homem e mulher,
(As ervas matinais brotam não mais frescas e mais doces todo dia de suas raízes, do que ele brota fresco e doce continuamente de si mesmo.)

Vamos! quem quer que sejais, vinde viajar comigo!
Em viagem comigo encontrarei o que não cansa nunca.
A terra não cansa nunca,
a Natureza é rude e a princípio incompreensível,
não percais a coragem, continuai, existem coisas divinas bem escondidas,
eu vos juro que existem coisas divinas mais belas
do que possam as palavras dizer.

Não devemos parar aqui,
por mais doces que sejam estas coisas arrumadas,
por mais conveniente que a habitação pareça,
não podemos permanecer aqui;
por mais abrigado que seja o porto e por mais calmas as águas,
aqui nós não devemos ancorar;
por mais acolhedora que seja a hospitalidade à nossa volta,
não nos é permitido desfrutá-la
senão por bem pouco tempo.

Vamos! com poder, liberdade, a terra, os elementos,
Saúde, desafio, júbilo, auto-estima, curiosidade;

(Eu e os meus não convencemos por argumentos, símiles, rimas,
Convencemos por nossa presença.)

Ouve! Serei honesto convosco:
não ofereço os macios prêmios de sempre,
mas ofereço ásperos prêmios novos.

deveis habituar-vos aos sorrisos irônicos e às zombarias
daqueles que deixardes para trás,
aos acenos de amor que receberdes apenas respondereis
com apaixonados beijos de despedida,
não permitirás a retenção dos que esticam suas mãos estendidas em tua direção.

Vamos! em busca dos grandes companheiros, e pertencer a eles!
Eles também estão na estrada - eles são homens ágeis e majestosos - elas são grandes mulheres,
Apreciadores das calmarias dos mares e das tempestades dos mares,
Marinheiros de muitos navios, caminhantes de muitas milhas de terra,

Ponderadores e contempladores de tufos, flores, conchas da costa,
Dançarinos em danças de casamento, suaves ajudantes de crianças, portadores de crianças,
Viajantes em estações consecutivas, durante anos, os anos curiosos cada um emergindo do que o precedeu,
Viajantes com companheiros, a saber suas próprias distintas fases,
Ultrapassadores dos latentes dias irrealizados da infância,

Viajantes joviais com sua própria juventude,
Viajantes com sua virilidade barbuda e bem cristalizada,
Viajantes com sua feminidade, ampla, incomparável, contente,
Viajantes com sua própria sublime velhice de virilidade e feminidade,
Velhice, calma, expandida, ampla com a amplitude altiva do universo,
Velhice, fluindo livre com a deliciosa liberdade próxima da morte.

Vamos! ao que é sem fim como foi sem início,
Passar muita coisa, pisadas de dias, restos de noites,
Fundir tudo na viagem a que eles tendem,
e aos dias e noites a que eles tendem,
De novo os fundir no começo de viagens superiores,

Ver nada em lugar nenhum que tu não possas alcançar e ultrapassar,
Conceber nenhum tempo, mesmo distante, que tu não possas alcançar e ultrapassar,
Examinar nenhuma estrada que não se espicha e espera por ti, por longa que seja porém espicha e espera por ti,
Não ver nenhum ser, nem o de Deus nem outro qualquer, que também não vás lá,
Não ver nenhuma posse que tu não possas possuí-la, desfrutando tudo sem trabalho ou compra,

Pegar o melhor da fazenda do fazendeiro e da elegante quinta do rico e das castas bênçãos do casal bem-casado e das frutas de pomares e flores de jardins,
Levar para teu uso fora das compactas cidades quando as atravessas,
Carregar prédios e ruas contigo depois aonde fores,
Colher as mentes dos homens de seus cérebros conforme os encontras, colher o amor de seus corações,
Levar teus amantes na estrada contigo, por tudo que os deixas para trás,
Conhecer o universo em si como uma estrada, como muitas estradas, como estradas para almas viajantes.


Toda religião, todas as coisas sólidas, artes, governos — tudo que foi ou é aparente neste globo ou qualquer globo, descende em nichos e cantos ante a procissão de almas pelas grandes estradas do universo.
Do progresso das almas de homens e mulheres pelas grandes estradas do universo, todo outro progresso é o emblema e sustento necessário.

Para sempre vivos, sempre adiante,
Imponentes, solenes, tristes, retirados, confusos, furiosos, turbulentos, frágeis, insatisfeitos,
Desesperados, orgulhosos, afetuosos, doentes, aceitos por homens, rejeitados por homens,
Eles vão! eles vão! eu sei que eles vão, mas não sei aonde vão,
Mas sei que vão em busca do melhor—de algo ótimo.
Quem sejas, vem! ou homem ou mulher vem!

Não deves ficar dormindo e se distraindo aí na casa, embora a tenhas construído, ou embora tenha sido construída para ti.
Sai desse confinamento obscuro! Sai de trás da tela!
É inútil protestar, sei de tudo e o exponho.
Vê através de ti tão ruim quanto os demais,
Pelo riso, dança, refeição, cear, das pessoas,
Dentro de trajes e ornamentos, dentro desses rostos lavados e aparados,
Vê um secreto e silencioso asco e desespero.

Meu apelo é o apelo de batalha, nutro rebelião ativa,
Quem for comigo deve ir bem armado,
Quem for comigo vai com freqüência com alimento escasso, pobreza, inimigos zangados, deserções.

Vamos! a estrada está à nossa frente!
É segura — a experimentei — meus próprios pés a experimentaram bem — não te deténs!
Que o papel permaneça no atril não escrito, e o livro na estante não aberto!
Que as ferramentas permaneçam na oficina! que o dinheiro permaneça não ganho!
Deixa a escola em seu lugar! desconsidere o rogo do professor!
Que o pastor pregue em seu púlpito! que o advogado pleiteie no tribunal, e o juiz interprete a lei.

Camarada, te dou minha mão!
Te dou meu amor que vale mais que dinheiro,
Eu me dou a ti sem sermão ou lei;
Tu te darás a mim? virás viajar comigo?
Poderemos contar um com o outro enquanto vivermos?

São Bento do Sapucaí - SP - AGO/2014



Gostou? Compartilhe:
TwitterStumbleupondel.icio.us

2 comentários:

Greice disse...

Aplausos... muitos aplausos.. seu blog é um banquete de informações, cultura e aprendizado.

Nicholas Fernandes Gimenes disse...

Que delícia de elogio Greice! muito obrigado! :)

Blog Widget by LinkWithin